Power Rangers ?

Eu sou da época em que desenhos animados eram animados, e as poucas séries que assistíamos eram comédias americanas, o que não mudou muito no caso das séries, comédias ou não. Mas no caso de desenhos, a alguns anos o mercado japonês que já tinha espaço reservado nas séries de TV voltada para crianças (ultraman, espectroman -essas duas da minha época- , jaspion, chenjerman, jiraya, entre outros capitães Kid da vida), vem perdendo para séries similares americanas que utilizando a mesma receita que leva massas de crianças a acompanharem os monstros destruindo o Japão, no caso agora são os cenários imaginários e bizarros montados pelos produtores, e robôs ou homens fantasiados destruindo os “terríveis inimigos do mundo”.

Não tem muito sentido monstros tentando acabar com os EUA, o Bin laden está tentando isso a anos, o Oriente médio todo aliás, a Rússia já tentou, os Japongas já tentaram, até o Bushinho e a Monica Levinsk tentaram em vão. Então não tem porque colocarem homens fantasiados tentando salvar o mundo, quando a nação americana além de ser a maior em patriotismo e claro a maior nação em armamentos militares, bombas atômicas, gays, lésbicas, protestos contra tudo no mundo, maior exercito, maior marinha, maior índice de DST´s por jovens desmiolados, maior índice de gravidez na adolescência, maior índice de abortos, maior uso de anabolizantes, maior uso da mídia governamental para entupir o povo com idéias nacionalistas estúpidas, maior índice de obesidade, maior território adquirido na bala, maior metrópole do mundo, maior indústria cinematográfica, maior prostituição, maior tráfego e uso de drogas, maiores índices de racismo, maiores escândalos de fraudes bancárias pelos próprios bancos/financeiras, e por aew vai. Em suma, essa nação não precisa de salvação, e sim de ser expurgada da face da terra. Poderiam deixar uma “Megazord”destruir tudo de ruim nessa nação, tomando apenas certo cuidado para não derrubar L.A e Hollywood.. hehehhe. Eu não assisto mais nada na TV a não as “séries” que eles criam…

Mas nem é sobre isso que eu queria falar, aliás, ia apenas postar o link do novo vídeos dos Improváveis, mas me empolguei.

Batman e Robin

Batman e Robin foram a uma festa na Liga da Justiça onde o herói encheu a cara até a madrugada.
O morcegão, que saiu completamente bêbado e trocando as pernas, disse:
– Robin (hic!), dirija o bat-móvel porque eu estou imprestável…e a lei seca não tá dando moleza!
Robin entrou todo emocionado no carro, pois ia dirigí-lo pela 1ª vez.
Segurou o câmbio com firmeza, engatou a 1ª e saiu.
Engatou a 2ª, a 3ª, acelerou, colocou a 4ª, a 5ª, a 6ª, e se mandou.
Na 1ª curva, ele reduziu, passou para a 4ª.
Viu um caminhão, reduziu, ultrapassou, engatou novamente a 4ª, a 5ª, a 6ª, e foi assim até chegar à bat-caverna.
Robin estacionou, desligou o carro virou-se para o Batman e perguntou:
– Dirigi bem?
– Muito (hic!) bem.. Agora me dá um beijinho…
– Q é isso Batman?! A bebida lhe subiu à cabeça?
E o Batman:
– Deixa de frescura, Robin, voce sabe muito bem que o bat-móvel tem câmbio automático!

Mas já que estamos falando sobre o Batman e Robin, eternizado em nosso cotidianos com os seriados e depois com os filmes, segue reportagem sobre quadros gays dos personagens.

Uma série de quadros pintados pelo artista Mark Chamberlain está causando polêmica nos Estados Unidos.

Em recente exposição na Kathleen Cullen Fine Art de Nova York, as pinturas (com valor unitário estipulado em 200 dólares) mostram Batman e Robin trocando beijos ou em poses eróticas. Algumas cenas passam do limite do bizarro, como as de nu frontal e as com simulação de cópula homossexual.

A DC Comics divulgou uma carta aberta direcionada a todas as galerias de artes, proibindo-as de exibir as obras, destacando não só a violação dos direitos autorais, como a difamação de uma imagem conhecida em todo o mundo.

Para o autor dos quadros, as conseqüências foram ainda piores. Mark Chamberlain está sendo acionado na Justiça para repassar à DC cada dólar obtido nas vendas dos quadros, além de entregar à editora as obras que ainda restam.
Mas parece que o fato não o assusta. Todo o material continua à venda no site
Segue algumas obras.